fbpx


O que é simbiose e disbiose?

Postado em 27 de março de 2018 | Autor: Natalia Lopes

O corpo humano é habitado por trilhões de micro-organismos, como bactérias, vírus e fungos, o que chamamos de microbioma. Atualmente, sabe-se que esse microbioma possui funções importantes na manutenção da saúde e surgimento de doenças. O reconhecimento do seu genoma e a influencia na saúde tem sido objeto de estudo de inúmeras pesquisas científicas.

Pode-se considerar que, aproximadamente, de 1 a 2kg do peso corporal total corresponde aos trilhões de bactérias que habitam somente o trato gastrointestinal. A microbiota intestinal, nome atribuído ao conjunto das colônias de bactérias intestinais, contém micro-organismos apatogênicos (comensais) e patogênicos (causadoras de doenças).Ela começa a ser formada durante o período intrauterino e parto, é estabelecida nos primeiros cinco anos de vida e mantida até a idade adulta.

A microbiota intestinal tem uma importante influencia sobre os processos metabólicos, no funcionamento do sistema imunológico, na produção de vitaminas e de algumas substâncias que favorecem o funcionamento intestinal e previnem o surgimento de doenças. No entanto, essas condições benéficas podem ser observadas apenas em situação de simbiose, ou seja, quando há um equilíbrio entre micro-organismos comensais e patogênicos.

Cada indivíduo possui uma composição microbiana única, que sofre influência dos tipos de bactérias adquiridas por transmissão vertical materna, composição genética do indivíduo, dieta, uso de medicamentos, infecções intestinais e estresse. A exposição à fatores agressores como estresse, consumo exagerado de álcool, tabagismo, uso de antibióticos e dieta não saudável podem causar desequilíbrio da microbiota, com aumento das bactérias patogênicas e diminuição das bactérias comensais. Esse quadro é conhecido como disbiose e está associado ao surgimento de algumas doenças, das quais, muitas associadas ao trato gastrointestinal, como doença inflamatória intestinal, síndrome do intestino irritável e constipação e outras sistêmicas como obesidade.

Há grande e crescente interesse clínico em se conhecer a microbiota de indivíduos saudáveis, e principalmente de não saudáveis, uma vez que, ao ter esse conhecimento, poderemos traçar melhores condutas de intervenção, corrigir quadros de disbiose e melhorar o tratamento clínico de diversas doenças.

 

Referências:

BERCIK, P.; COLLINS, S. M.; VERDU, E. F.. Microbes and the gut-brain axis. Neurogastroenterology & Motility, [s.l.], v. 24, n. 5, p.405-413, 8 mar. 2012. Wiley-Blackwell. http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2982.2012.01906.x.

GARRETT, Wendy S.. A banner year for gut microbiota research. Nature Reviews Gastroenterology & Hepatology, [s.l.], v. 14, n. 2, p.78-80, 11 jan. 2017. Springer Nature. http://dx.doi.org/10.1038/nrgastro.2016.207.

GERRITSEN, Jacoline et al. Intestinal microbiota in human health and disease: the impact of probiotics. Genes & Nutrition, [s.l.], v. 6, n. 3, p.209-240, 27 maio 2011. Springer Nature. http://dx.doi.org/10.1007/s12263-011-0229-7.

REA, Kieran; DINAN, Timothy G.; CRYAN, John F.. The microbiome: A key regulator of stress and neuroinflammation. Neurobiology Of Stress, [s.l.], v. 4, p.23-33, out. 2016. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.ynstr.2016.03.001.

RELMAN, David A.. The Human Microbiome and the Future Practice of Medicine. Jama, [s.l.], v. 314, n. 11, p.1127-1128, 15 set. 2015. American Medical Association (AMA). http://dx.doi.org/10.1001/jama.2015.10700.

SZACHTA, Patrycja; BARTNICKA, Anna; GAłęCKA, Mirosława. Microbiota – a key to healing the gastrointestinal tract? Pomeranian Journal Of Life Sciences, [s.l.], v. 62, n. 1, p.21-24, 6 mar. 2017. Pomorski Uniwersytet Medyczny w Szczecinie. http://dx.doi.org/10.21164/pomjlifesci.160.

 

Quer saber mais sobre o assunto? Fique atento aos conteúdos que serão publicados no site Nutritotal e que serão enviados nos nossos informativos semanais. 

 



Leia também



Assine nossa newsletter: