O que é solanina?

Postado em 24 de julho de 2015 | Autor: Alweyd Tesser

A solanina é um glicoalcalcaloide tóxico de sabor amargo que apresenta fórmula molecular C45H73NO15. É formado por um alcaloide, a solanidina, e por uma cadeia lateral de um carboidrato e está presente em plantas da família Solanaceae, que inclui a batata, berinjela, tomate e pimentão.
A solanina é tóxica para o organismo humano e não é destruída por processos como cozimento. Os principais sintomas de sua ingestão são diarreias, vômitos e outros problemas gastrointestinais. Em geral, humanos parecem ser mais sensíveis à intoxicação por glicoalcaloides do que outros animais. Através de relatos de intoxicações em humanos decorrentes do consumo de batatas, estimou-se uma dose tóxica para o homem na faixa de 2 a 5mg/kg peso corpóreo (p.c.). Esses valores de toxicidade se comparam àqueles observados para venenos bem conhecidos, tais como estricnina (5 mg/kg p.c.) e arsênico (8 mg/kg p.c.).
Os glicoalcalóides foram avaliados pelo JECFA (Joint FAO/WHO Expert Committee on Food Additives) em 1992, tendo o Comitê concluído que as informações disponíveis sobre α-chaconina e α-solanina não eram suficientes para o estabelecimento de um valor para uma ingestão diária aceitável (IDA) e que os níveis de ocorrência natural em batatas (20 – 100mg·kg-1 expressos em termos de solanina) não representavam uma preocupação toxicológica.
Maiores quantidades do composto são produzidas quando a planta está doente ou na fase de brotamento para proteger a nova muda, portanto deve-se evitar o consumo batatas brotadas. Outras ocasiões em que o tubérculo produz a solanina são: quando sofre cortes, amassados e machucados (principalmente durante armazenamento e transporte); ou quando é exposta ao sol, tornando-se verde. Portanto, a batata madura, saudável e íntegra possui baixos níveis de solanina e é perfeitamente segura para o consumo humano.

 

Bibliografia

Friedman M, McDonald GM, Filadelfi-Keszib M. Potato Glycoalkaloids: Chemistry, Analysis, Safety, and Plant Physiology. Critical Reviews in Plant Sciences. 1997; 16(1):55-132.

Friedman M, Roitman JN, Kozukue N. Glycoalkaloid and calystegine contents of eight potato cultivars. J Agric Food Chem. 2003;51(10):2964-73.

Ruprich J, Rehurkova I, Boon PE, Svensson K, Moussavian S, Van der Voet H, et al. Probabilistic modelling of exposure doses and implications for health risk characterization: glycoalkaloids from potatoes. Food Chem Toxicol. 2009; 47(12):2899-905

Machado RMD, Toledo MCF. Determinação de glicoalcalóides em batatas in natura (Solanum Tuberosum l.) comercializadas na cidade de Campinas, estado de São Paulo. Ciênc. Tecnol. Aliment. 2004; 24(1):47-52.

FAO/WHO. Summary of evaluations performed by the Joint FAO/WHO Expert Committee on Food Additives (JECFA). ILSI Press. 1999.

Cadastre-se e receba nossa newsletter