fbpx

O que considerar ao escolher a Sonda Nasoenteral?

Postado em 7 de novembro de 2017 | Autor: Natalia Lopes

Após aescolha pela nutrição enteral como forma de nutrir o paciente, a equipe deve seatentar à escolha da melhor via de acesso e a sonda mais adequada a serutilizada pelo  paciente.

Há umagrande variedade de sondas nasoenterais (SNE), com materiais, formatos etamanhos diferentes, sendo a escolha baseada na melhor relação custo-benefíciopara o paciente, ou seja, a escolha deve ser pela sonda que atenda às suasnecessidades e que lhe proporcione o maior conforto possível.

As SNEpodem ser fabricadas de poliuretano ou silicone. As de poliuretano são maisbiocompatíveis, já as de silicone são mais flexíveis e maleáveis, por isso sãomais confortáveis e causam menos reações. Essas sondas têm duração de 30 a 45dias e vêm acompanhadas de um fio-guia, que facilita sua passagem até o pontodesejado. Além disso, algumas também possuem um material radiopaco, que permitea sua visualização em imagens radiográficas.

É importantediferenciar, no entanto, as sondas para uso infantil e adulto. As sondasinfantis têm de 50 a 91cm de comprimento, e possuem um diâmetro que varia entre6, 8 e 10 French (1 French = 0,33mm), sendo que as de 6 Fr não possuem fioguia. Já as para adultos têm de 91 a 150cm de comprimento e entre 10, 12 e 15Frde diâmetro. Cabe ressaltar que a de 12Fr são as mais comuns e a escolha docalibre da sonda dependerá do tipo da dieta (quanto mais viscosa maior deveráser o calibre da sonda), da via de administração, idade e estrutura corpórea dopaciente.

As SNEcomumente são utilizadas também como via para hidratação e medicamentos, porisso os fabricantes criaram a adaptação em Y, para facilitar os acessos. Alémdisso, a criação da sonda nasogastrojejunal permitiu maior controle de situaçõesclínicas como gastroparesia, distensão gástrica entre outras. Essa sonda,produzida em poliuretano, possui uma via gástrica utilizada para drenagem, comcalibre de 16 Fr e comprimento de 95cm, e uma via jejunal utilizada paranutrir, com calibre de 9 Fr e comprimento de 150 a 170cm.

Assim, tendo em vista as váriascaracterísticas das SNE, a discussão com a equipe multidisciplinar é o melhorcaminho para que seja feita a melhor escolha para o paciente.

 

Referências:

Serpa LF, Almeida AMM, Kruger.
Dispositivos para implementação de Terapia de Nutriçaõ Enteral. In: Waitzberg
DL. Nutrição Oral, Enteral e Parenteral
na Prática Clínica
. 5.ed. Atheneu, 2017.

 

Leia também