fbpx

Quais adoçantes as gestantes podem utilizar?

Postado em 10 de agosto de 2020 | Autor: Natália Lopes

É importante se atentar a quantidade de adoçante ingerida

Com um número de casos cada vez maior, o tratamento do diabetes gestacional (DMG) requer atenção dos profissionais, pois todas as medidas visam o controle da glicemia materna, sem comprometer o crescimento e desenvolvimento fetal.

Ainda é grande a discussão acerca da utilização de adoçantes durante a gestação. Embora seja uma alternativa para substituir o açúcar, faltam estudos que atestem a segurança do uso de adoçantes pelas gestantes.

Para a Sociedade Brasileira de Diabetes, aspartame, sacarina, acessulfame-K e sucralose podem ser usados como alternativa para a substituição ao açúcar, porém com moderação.

A OMS e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendam que o consumo seguro de edulcorantes para DMG deve respeitar a seguinte recomendação:

  • Sacarina: 2,5 mg/kg de peso corporal;
  • Ciclamato: 11 mg/kg de peso;
  • Aspartame: 40 mg/kg de peso;
  • Acessulfame-K: 15 mg/kg de peso;
  • Esteviosideo: 5,5 mg/kg de peso;
  • Sucralose: 15 mg/kg de peso.

Mulheres grávidas devem se atentar não apenas a adição de edulcorantes a bebidas e alimentos, mas também a presença destes em alimentos industrializados.

Referência:

American Diabetes Association. Gestational Diabetes, 2020.

DUARTE-GARDEA, M.O. et al. Academy of Nutrition and Dietetics Gestational Diabetes Evidence-Based Nutrition Practice Guideline. Journal Of The Academy Of Nutrition And Dietetics, 2018.

Sociedade Brasileira de Diabetes. DIRETRIZES Sociedade Brasileira de Diabetes 2019-2020. 2019.

 

Leia também