Quais as propriedades e benefícios nutricionais do mangostão?

Postado em 23 de maio de 2014 | Autor: Lidivânia Nascimento

O mangostão (Garcinia mangostana Linn) é uma fruta de origem asiática de sabor ligeiramente ácido e doce. Diversos estudos demonstram que o seu consumo está associado a muitos benefícios à saúde, e há séculos tem sido usada com finalidades clínicas no Sudeste Asiático. Em sua composição há uma potente xantona, uma classe de compostos polifenóis, que tem o alfa(α)- e gama(γ)- mangostino(MG) como os mais abundantes compostos bioativos.

A parte comestível do mangostão é a de cor branco leitoso, sendo o α e γ-MG extraídos a partir de outras partes da planta, como a seiva seca e a casca, ou pericarpo.

Cada vez mais este fruto se torna alvo de pesquisadores, que acreditam, principalmente, ser o composto α-MG responsável pelas propriedades antioxidantes, anti-inflamatória, antibacteriana, antifúngica, antiparasitária, além de prevenir o câncer, doenças cardiovasculares, diabetes, e controlar o peso.

O consumo do mangostão na redução do peso demonstra ser promissor, pois o α-MG é capaz de diminuir a adipogênese através dos pré-adipócitos de linhagem celular 3T3-L1 (células oriundas de ratos utilizadas em pesquisas do tecido adiposo).

Um estudo demonstrou que tanto o α-MG como o γ-MG podem reduzir a adipogênese e a inflamação por caminhos metabolicamente diferentes. Porém, a principal xantona, α-MG, demonstra ter melhor efeito na transcrição da adiponectina do que a γ-MG na adipogênese.

Entretanto, dada a associação entre a obesidade, outro estudo analisou os efeitos da α- e γ-MG em marcadores de inflamação e resistência à insulina, e demonstrou que o γ-MG é mais eficaz do que α-MG por aumentar os níveis de adiponectina em culturas primárias de adipócitos humanos, além de impedir a resistência à insulina mediada por Lipopolissacarídeo – LPS (endotoxina altamente tóxica derivada da membrana celular externa de bactérias gram-negativas e importante ativador da resposta imunológica) em adipócitos humanos.

Contudo, futuros estudos precisam ser realizados para avaliar os efeitos do γ-MG no metabolismo lipídico em obesos e no metabolismo da glicose, visto que a adiponectina é um regulador chave. Estudos in vivo também são necessários para determinar a capacidade do MG em recapitular resultados observados in vitro.

 

Bibliografia

1. Petiwala SM, Li G, Ramaiya A, Kumar A, Gill RK, Saksena S, Johnson JJ. Pharmacokinetic characterization of mangosteen (Garcinia mangostana) fruit extract standardized to α-mangostin in C57BL/6 mice. Nutr Res. 2014 Apr;34(4):336-45.

2. Ibrahim MY, Mariod AA, Mohan S, Hashim NM, Abdulla MA, Abdelwahab SI, Arbab IA, Ali LZ. α-Mangostin from Garcinia mangostana Linn: an updated review of its pharmacological properties. Arabian Journal of Chemistry. 2014 Mar; Available online In Press, Accepted Manuscript.

3. Lee YB, Ko KC, Shi MD, Liao YC, Chiang TA, Wu PF, Shih YX, Shih YW. α-Mangostin, A Novel Dietary Xanthone, Suppresses TPA-Mediated MMP-2 and MMP-9

Expressions through the ERK Signaling Pathway in MCF-7 Human Breast Adenocarcinoma Cells. J Food Sci. 2010 Jan-Feb; 75 (1): H13-23.

4. Shen Q, Chitchumroonchokchai C, Thomas JL, Gushchina LV, Disilvestro D, Failla ML, Ziouzenkova O. Adipocyte reporter assays: Application for identification of anti-inflammatory and antioxidant properties of mangosteen xanthones. Mol Nutr Food Res. 2014 Feb;58(2):239-47

5. Bumrungpert A, Kalpravidh RW, Chitchumroonchokchai C, Chuang CC, West T, Kennedy A, McIntosh M. Xanthones from mangosteen prevent lipopolysaccharide-mediated inflammation and insulin resistance in primary cultures of human adipocytes. J Nutr. 2009 Jun;139(6):1185-91.

Cadastre-se e receba nossa newsletter