Quais são os benefícios do consumo de frutas oleaginosas?

Postado em 18 de maio de 2012 | Autor: Rita de Cássia Borges de Castro

As frutas oleaginosas são alimentos ricos em nutrientes, como ácidos graxos insaturados, fibras, sais minerais, tocoferóis, fitoesteróis e compostos fenólicos. Apesar do alto valor energético, em virtude da composição de ácidos graxos, as oleaginosas podem influenciar beneficamente a saúde humana.

Fazem parte do grupo de frutas oleaginosas as amêndoas (Prunus amigdalis), avelãs (Corylus avellana), castanha-de-caju (Anacardium occidentale), castanha-do-Brasil (ou castanha-do-pará [Bertholletia excelsa]), nozes (Juglans regia), pistache (Pistachia vera), entre outras.

Os fitoquímicos encontrados nas frutas oleaginosas têm sido associados com propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias, anti-proliferativas, ações antivirais, quimiopreventivas e hipocolesterolêmicas.

Estudos epidemiológicos demonstram que o consumo de frutas oleaginosas estão associados com a redução da incidência de doença cardíaca coronariana, cálculos biliares e diabetes tipo 2. Já os estudos clínicos de intervenção demonstram que a ingestão >15g/dia de frutas oleaginosas pode reduzir o colesterol, estresse oxidativo, inflamação, pressão arterial e adiposidade visceral. Assim, torna-se cada vez mais evidente que as frutas oleaginosas têm impacto benéfico sobre vários fatores de risco cardiovasculares. Neste sentido as diretrizes da American Heart Association recomendam a ingestão de 30 gramas por dia de oleaginosas, sendo 15 gramas de nozes, 7,5 gramas de amêndoas e 7,5 gramas de avelãs.

Confira a tabela com a composição nutricional de algumas frutas oleaginosas

 

Bibliografia

Ros E. Health benefits of nut consumption. Nutrients. 2010;2(7):652-82.

Tey SL, Brown R, Chisholm A, Gray A, Williams S, Delahunty C. Current guidelines for nut consumption are achievable and sustainable: a hazelnut intervention. Br J Nutr. 2011;105(10):1503-11.

Tulipani S, Llorach R, Jáuregui O, et al. Metabolomics unveils urinary changes in subjects with metabolic syndrome following 12-week nut consumption. J Proteome Res. 2011;10(11):5047-58.

Bes-Rastrollo M, Sabaté J, Gómez-Gracia E, Alonso A, Martínez JA, Martínez-González MA. Nut consumption and weight gain in a Mediterranean cohort: The SUN study. Obesity (Silver Spring). 2007;15(1):107-16.

O’Neil CE, Keast DR, Fulgoni VL 3rd, Nicklas TA. Tree nut consumption improves nutrient intake and diet quality in US adults: an analysis of National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES) 1999-2004. Asia Pac J Clin Nutr. 2010;19(1):142-50.

Cadastre-se e receba nossa newsletter