fbpx

Quais são os cuidados nutricionais necessários aos pacientes com doença inflamatória intestinal?

Postado em 6 de fevereiro de 2018 | Autor: Natalia Lopes

A doença inflamatória intestinal (DII)representa um grupo de afecções intestinais inflamatórias crônicas idiopáticas,ou seja, sem causa conhecida, sendo que as duas principais categorias de DIIsão a doença de Crohn (DC) e a retocolite ulcerativa (RCU). Trata-se de umadoença crônica intermitente, com sintomas que variam de acordo com a fase deatividade da doença e o segmento do trato intestinal afetado. Os sintomas maiscomuns são diarreia, constipação, dor ou sangramento retal à defecação,urgência para defecar, tenesmo, câimbras e dores abdominais.

Independentede ser DC ou RCU, os pacientes com DII comumente apresentam deficiênciasnutricionais, como de vitaminas, minerais e proteínas, de acordo com a regiãointestinal afetada pela inflamação e interação com alguns medicamentos, a desnutriçãotambém acontece com frequência nessa população. Assim, a terapia nutricional(TN) para a DII é indicada em situações de crises repetidas e tratamento dafase aguda, para evitar a desnutrição, em fase pré-operatória, em casos defístulas digestivas, para melhorar a qualidade de vida do paciente, emtratamento de remissão, entre outras situações que podem comprometer o estadonutricional do paciente.

Algumas estratégias auxiliam otratamento, sobretudo nas fases ativas da doença, e devem ser adequadas aossintomas apresentados. Nessas fases recomenda-se reduzir o consumo de fibras.Dietas pobres em  FODMAPs podem seralternativa, pois  dieta sem resíduospode diminuir a frequência de evacuações. Mas ela não deve ser indicada derotina a todos os pacientes. Recomenda-se que a dieta para pacientes com DIIseja hipercalória, hiperproteica, hipogordurosa e normoglicídica. Terapia nutricionalenteral e parenteral podem também ser indicadas em alguns casos. Estudos comsuplementação de ácido graxo ômega-3, glutamina e probióticos sugerem que o usodesses nutrientes pode trazer benefícios, mas os resultados ainda sãocontroversos.  

Referência:

AMERICAN SOCIETY FOR PARENTERAL AND
ENTERAL NUTRITION. Nutrition Support Core Curriculum: a case-base approach –
the adult patient. Gastrointestinal Disease. 2007.

DERIKX, Lauranne A.a.p.; DIELEMAN, Levinus A.;
HOENTJEN, Frank. Probiotics and prebiotics in ulcerative colitis. Best Practice
& Research Clinical Gastroenterology
, [s.l.], v. 30, n. 1,
p.55-71, fev. 2016.
Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.bpg.2016.02.005.

SILVA MLT; VASCONCELOS MIL. Nutrição
na doença inflamatória intestinal. In: Cardozo WS, Sobrado CW. Doença
inflamatória intestinal. São Paulo, Manole, 2015.

WORLD GASTROENTEROLOGY ORGANISATION.
Doença inflamatória intestinal. [S.l.], 2015. (Pratice Guidelline)

Leia também