fbpx


Quais são os riscos relacionados com a deficiência de vitamina D?

Postado em 29 de novembro de 2013 | Autor: Rita de Cássia Borges de Castro

A deficiência de vitamina D (níveis de 25[OH]D3 inferiores a 20 ng/ml) é caracterizada por sinais e sintomas clínicos que incluem fraqueza generalizada, dores ósseas, osteopenia, osteoporose, osteomalácea, entre outros. Diversos estudos têm demonstrado que a deficiência de vitamina D também está relacionada com diversas doenças crônicas, incluindo: diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares, obesidade, depressão, esquizofrenia, doença inflamatória intestinal, além de câncer de próstata, mama, ovário e coloretal.

A vitamina D tem sido classicamente associada à saúde óssea, estando bem estabelecido que a carência de vitamina D provoca raquitismo na infância e osteomalacia e osteoporose em adultos. Entretanto, as pesquisas têm demonstrado que os níveis adequados de vitamina D são essenciais ao bom funcionamento de vários tecidos e órgãos. Essas diversas atuações da vitamina D ocorrem devido à presença de receptores da vitamina D (VDR) em muitos tipos celulares, incluindo miócitos, cardiomiócitos, células beta-pancreáticas, células endoteliais vasculares, neurônios, células do sistema imunológico e osteoblastos.

Um estudo que investigou a relação do receptor de vitamina D com todo o genoma identificou mais de 200 genes que sofrem a influência direta da vitamina D. Essa pesquisa encontrou 2.776 sítios de ligação para o receptor de vitamina D ao longo do genoma concentrados próximos a genes associados às doenças autoimunes, tais como esclerose múltipla, doença de Crohn, lúpus e artrite reumatoide, e para doenças neoplásicas, como a leucemia linfocítica crônica e o câncer coloretal. Isto, em parte, explica o papel preventivo e terapêutico da vitamina D nessas doenças.

Devido à alta incidência de indivíduos que apresentam níveis abaixo do recomendado dessa vitamina, pesquisadores sugerem que existe uma pandemia mundial da deficiência de vitamina D, na qual não é devidamente reconhecida e tratada. Diversas pesquisas também demonstram que a deficiência de vitamina D desempenha um papel importante no surgimento dos fatores de risco para o desenvolvimento de doença coronária e doença cardiovascular em geral. A deficiência em vitamina D pode predispor ao desenvolvimento da hipertensão arterial, diabetes, síndrome metabólica, hipertrofia ventricular esquerda, insuficiência cardíaca congestiva e inflamação vascular crônica.

Embora existam algumas fontes alimentares de vitamina D (como o salmão, atum, gema de ovo, queijo e cogumelos), a principal fonte de vitamina D, em seres humanos é a síntese cutânea de colecalciferol na presença de radiação ultravioleta B (UVB).  A recomendação para a ingestão de vitamina D, de acordo com a DRI (Dietary Reference Intake), publicada em 2010, estabelece para adultos a ingestão de 600 UI (15 mcg) por dia e 800 UI/dia para idosos com idade acima de 70 anos.

Leia mais:

Quando devo solicitar os níveis séricos de vitamina D?

Baixos níveis séricos de vitamina D estão associados com aumento de mortalidade

Suplementação de vitamina D3 melhora composição corporal de mulheres com sobrepeso/obesidade

Baixos níveis de vitamina D estão relacionados com pré-diabetes

 

Bibliografia

Bhan I, Tamez H, Thadhani R. Impact of new vitamin D data on future studies and treatment. Curr Opin Nephrol Hypertens. 2013;22(4):377-82.

Christakos S, Hewison M, Gardner DG, Wagner CL, Sergeev IN, Rutten E, et al. Vitamin D: beyond bone. Ann N Y Acad Sci. 2013;1287:45-58.

Cashman KD, Kiely M. EURRECA-Estimating vitamin D requirements for deriving dietary reference values. Crit Rev Food Sci Nutr. 2013;53(10):1097-109.

Holick MF, Binkley NC, Bischoff-Ferrari HA, Gordon CM, Hanley DA, Heaney RP, et al. Guidelines for preventing and treating vitamin D deficiency and insufficiency revisited. J Clin Endocrinol Metab. 2012;97(4):1153-8

Cadastre-se e receba nossa newsletter