>


Qual é a relação entre obesidade e câncer gástrico e esofágico?

Postado em 11 de julho de 2014 | Autor: Alweyd Tesser

Estudos sugerem que a obesidade pode desempenhar um papel importante no aumento da incidência de adenocarcinoma esofágico e gástrico. Adenocarcinoma é um tipo de câncer que se forma nas células secretoras, que estão presentes em tecidos de órgãos como: pulmão, mama, estômago, esôfago, pâncreas, cólon e próstata.

Dois estudos coorte norte-americanos avaliaram a associação entre obesidade geral e abdominal com a incidência de adenocarcinoma esofágico (EAC) e gástrico e obtiveram resultados semelhantes. Em comparação às pessoas com IMC eutrófico (índice de massa corporal entre 18,5 – 25kg/m²), aquelas com IMC maior ou igual a 35 kg/m² foi associado com o aumento significativo do risco de EAC e adenocarcinoma gástrico da cárdia.

Os mecanismos que explicam essa relação ainda não estão bem esclarecidos, entretanto, dados epidemiológicos têm demonstrado que a obesidade é um importante fator de risco para o desenvolvimento da doença do refluxo gastroesofágico e infecção por Helicobacter pylori (H. pylori) e estudos apontam que ambas as situações estão associadas ao desenvolvimento de adenocarcinoma gástrico e esofágico.

 

Bibliografia

Doherty MG, et al. A prospective cohort study of obesity and risk of oesophageal and gastric adenocarcinoma in the NIH-AARP Diet and Health Study. Gut. 2012;61(9):1261-8.

Abnet CC, et al. A prospective study of BMI and risk of oesophageal and gastric adenocarcinoma. European Journal of Cancer. 2008;44(3):465-71.

Li Q, Zhang J, Zhou Y, Qiao L. Obesity and gastric cancer. Frontiers in Bioscience (Landmark Ed). 2012;17:2383-90.

Wu YW, Association of esophageal inflammation, obesity and gastroesophageal reflux disease: from FDG PET/CT perspective. PLoS One. 2014;9(3):e92001.

Leia também



Cadastre-se e receba nossa newsletter