Quando indicar terapia nutricional enteral por ostomias em adultos?

Postado em 20 de março de 2019 | Autor: Natália Lopes

Explicamos as diferenças entre faringostomia, esofagostomia, gastrostomia e jejunostomia, e apontamos quando indicar a nutrição enteral por ostomias em adultos

As ostomias são abordagens que permitem o acesso de sondas de nutrição enteral diretamente para o lúmen gástrico, estando localizada na faringe (faringostomia), esôfago (esofagostomia), estômago (gastrostomia) ou intestino (jejunostomia). São indicadas principalmente em situações em que o paciente está impedido temporária ou definitivamente de se alimentar por via oral e possui a previsão de receber a nutrição enteral por período prolongado, normalmente superior a quatro semanas.

Gastrostomia e Jejunostomia são as abordagens mais frequentes no ambiente hospitalar. A gastrostomia é indicada, assim as sondas nasoenterais, quando o paciente apresenta riscos de aspiração durante a deglutição. Já a jejunostomia é indicada, assim como as sondasnasoenterais pós-pilóricas, quando o paciente está impossibilitado de utilizar o estômago para receber a nutrição.

Atualmente, gastrostomia e jejunostomia são realizadas, principalmente, através de técnica de endoscopia percutânea, podendo ser realizadas a beira leito. É importante ressaltar que a posição da ostomia influenciará o tipo de dieta a ser ofertado.. O quadro abaixo sumariza as possíveis complicações associadas a esses tipos de ostomias.

Quadro 1: Complicações associadas a gastrostomias e jejunostomias

Gastrostomia Jejunostomia
Remoção acidental da sonda Remoção acidental da sonda
Obstrução da sonda Obstrução da sonda
Infecção de parede Vazamento e fístula entérica
Fístula gástrica Volvo e obstrução intestinal
Peritonite química Peritonite
Sangramento  
Perfusão gástrica pela sonda  

Referências:

Waitzberg, Dan L. Nutrição oral, enteral e parenteral na prática clínica. 5ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 2017.

Waitzberg, Dan L; Dias, Maria Carolina G; Isosaki, Mitsue. Manual de Boas Práticas em Terapia Nutricional Enteral e Parenteral do HCFMUSP. São Paulo: Atheneu, 2014

Leia também