Suplementação com isoflavonas na gestação tem efeito sobre a imunidade dos filhotes

Postado em 17 de setembro de 2018 | Autor: Marcella Gava

Trabalho realizado por Gaffer e colaboradores examinou os efeitos da exposição materna à isoflavonas de soja na resposta imune celular da prole e investigou alterações histopatológicas no timo, baço e pata das cobaias filhotes. Para isso, foram utilizadas 45 cobaias adultas. Ao dia zero de gestação elas foram divididas em Grupo Controle – dieta livre de isoflavonas  (n=12), Grupo Baixo Isoflavonas – BI (n=12), com dieta contendo 6,5% de isoflavonas, e Grupo Alto Isoflavonas – AI (n=12), com dieta contendo 26% de isoflavonas. As porcentagens de isoflavonas de soja fornecidas nas dietas representam índices de 20 a 50g de soja por dia, como o consumido por algumas populações. As dietas descritas foram oferecidas até o dia do nascimento da prole. Após o nascimento, foram selecionadas as cobaias macho e ofertado dieta controle por 50 dias. Foram mensurados, através de amostras de sangue, IL-12, IFN-γ e TNF-α (citocinas pró-inflamatórias) e as cobaias foram sacrificados para avaliação do tamanho do timo.

Verificou-se que a exposição pré-natal a isoflavonas de soja reduziu significativamente o índice de intumescência em filhotes machos, tanto no grupo AI quanto no grupo BI, em comparação ao grupo controle (p<0,05) e sem diferença entre os grupos intervenção. Ambos os grupos intervenção também apresentaram níveis reduzidos de IL-12 e IFN-γ em relação ao grupo controle (p<0,05), e o grupo AI apresentou ainda níveis inferiores ao grupo BI (p<0,05). Ao contrário, o TNF-αapresentou níveis mais altos no grupo AI em relação aos grupos BI e controle (p<0,05). O peso do baço e timo apresentou-se menor nas cobaias dos grupos intervenção(AI e BI) comparados ao grupo controle (p<0,05). A IL-12, IFN-γ (p <0.0001) e o peso relativo do baço (p=0.0008) e timo (p=0.0007) foram inversamente proporcionais a quantidade de isoflavonas na dieta das ratas grávidas, enquanto o TNF-α foi diretamente proporcional a estas quantias (p <0.0001).

Com estes dados, os autores concluíram que isoflavonas de soja dietética no período pré-natal pode ter exercido um efeito imunossupressor em prole macho. Estes efeitos podem ter sido mediados pela redução da produção de IL-12 e IFN-γ, depleção do tecido linfoide do baço e do timo e uma baixa resposta inflamatória e imunológica ao estimulador. Foi confirmada dose-resposta na relação entre sistema imune e concentrações de soja na dieta.

Referência:

Gaffer GG et al. Dietary soy isoflavones during pregnancy suppressed the immune function in male offspring albino rats. Toxicology Reports 5 (2018) 296–301.

 

Leia também