O que é taumatina?

Postado em 15 de agosto de 2015 | Autor: Alweyd Tesser

A taumatina é um adoçante natural. É a substância mais doce conhecida (cerca de 3 mil vezes mais doce que o açúcar), um potente realçador de sabor/aroma e tem a capacidade de mascarar sabores residuais indesejáveis de inúmeras substâncias, incluindo adoçantes artificiais. Foi documentada pela primeira vez em 1855 pelo cientista W.F. Daniell, que a descreveu como um poderoso adoçante e realçador do sabor e aroma em alimentos e bebidas locais.
Consiste em uma proteína vegetal natural (presente principalmente na fruta Katemfe) composta por uma sequência de 207 aminoácidos, e é digerida pelo corpo humano e pelos animais seguindo o metabolismo normal de outras proteínas naturais. Essa é uma das razões pelas quais a taumatina é considerada por autoridades regulatórias como uma substância segura.
A taumatina é um edulcorante extremamente estável. Sua estrutura molecular resiste a elevadas temperaturas (incluindo tratamento UHT e forneamento) e também ao baixo pH de certos alimentos.
No Brasil, foi aprovada como um edulcorante não-calórico em 2008, pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e é identificado na indústria alimentícia com as siglas E 957.
Alguns estudos científicos e toxicológicos demonstram a inocuidade da taumatina à saúde do homem. Portanto, pode ser consumida por todos, incluindo os diabéticos, fenilcetonúricos, gestantes etc., sem restrições a qualquer grupo populacional.

 

Bibliografia

Daniell W.F. Katemfe, or the miraculous fruit of Soudan. Pharm. J. 1855; 14:158.

Higginbotham JD. Snodin DJ, Eaton KK. Daniel JW. Safety Evaluation of Thaumatin. Fd. Chem. Toxicol. 1983; 21:815-823.

ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 18, de 24 de março de 2008. Regulamento Técnico que autoriza o uso de aditivos edulcorantes em alimentos, com seus respectivos limites máximos.

Chinedu SN, Oluwadamisi AY, Popoola ST, David BJ, Epelle T. Analyses of the leaf, fruit and seed of Thaumatococcus daniefii (Benth.): exploring potential uses. Pak J Biol Sci. 2014;17(6):849-54.

Cadastre-se e receba nossa newsletter