O que é a dieta flexitariana?

Postado em 22 de julho de 2019 | Autor: Natália Lopes

Junção de “flexível” e “vegetariana”, a dieta propõe o consumo de alimentos naturais e eventualmente de carnes e peixes

A dieta flexitariana propõe um consumo mais equilibrado entre produtos de origem animal e vegetal.  O termo “flexitariana” é uma junção de “flexível” e “vegetariano” indicando que o indivíduo segue uma dieta primariamente vegetariana, em que há o consumo eventual de carnes e peixes, recebendo também a denominação de semivegitariana.

A proposta central dessa dieta, com redução do consumo de carnes e outros produtos de grande produção agrícola (arroz, ovos, açúcar, trigo, raízes, milho, azeite de oliva, leite e aves), é promover um desenvolvimento ambiental mais sustentável.

Percebeu-se, porém, que além dos benefícios para o meio ambiente e bem estar animal, a dieta flexitariana poderia apresentar benefícios a saúde relacionados à redução do consumo de carne vermelha, associado ao aumento do consumo de leguminosas, legumes e verduras, sem promover as deficiências nutricionais (vitamina 12, colina e cálcio, por exemplo), típicas de dietas vegetarianas e veganas.

Beines e colaboradores em seu estudo demográfico com 9113 mulheres australianas vegetarianas, semi-vegetarianas e não-vegetarianas identificaram que o IMC daquelas vegetarianas e semi-vegetarianas era menor que do que o IMC de mulheres não vegetarianas, porém, também apresentavam maiores porcentagens de depressão que os não vegetarianos, provavelmente associado a deficiência de nutrientes. Já Agrawal e colaboradores investigaram a prevalência de obesidade e diabetes entre homens e mulheres adultos na Índia, consumidores de diferentes tipos de dieta vegetariana, comparada a dietas não vegetarianas. Eles observaram, também, um menor IMC entre os veganos e vegetarianos que consumiam peixe. Além disso, o consumo de dieta lacto, ovo-lacto e semi-vegetariano foi associado com uma menor probabilidade de diabetes do que uma dieta não vegetariana.

Assim, além dos benefícios para o planeta e de promover o bem-estar dos animais, a dieta flexitariana, quando bem equilibrada e permitindo o consumo eventual de produtos de origem animal, pode estar associada à prevenção do ganho de peso e da ocorrência de doenças crônicas. Porém, mais estudos longitudinais são necessários para comprovar seus benefícios.

 

Referências:

AGRAWAL, Sutapa et al. Type of vegetarian diet, obesity and diabetes in adult Indian population. Nutrition Journal, [s.l.], v. 13, n. 1, 5 set. 2014. Springer Nature.

BAINES, Surinder; POWERS, Jennifer; BROWN, Wendy J. How does the health and well-being of young Australian vegetarian and semi-vegetarian women compare with non-vegetarians? Public Health Nutrition, [s.l.], v. 10, n. 5, p.436-442, maio 2007. Cambridge University Press (CUP).

CHEN, Canxi; CHAUDHARY, Abhishek; MATHYS, Alexander. Dietary Change Scenarios and Implications for Environmental, Nutrition, Human Health and Economic Dimensions of Food Sustainability. Nutrients, [s.l.], v. 11, n. 4, 16 abr. 2019. MDPI AG.

DERBYSHIRE, Emma J.. Flexitarian Diets and Health: A Review of the Evidence-Based LiteratureFrontiers In Nutrition, [s.l.], v. 3, 6 jan. 2017. Frontiers Media SA

HICKS, Talia M.; KNOWLES, Scott O.; FAROUK, Mustafa M.. Global Provisioning of Red Meat for Flexitarian Diets. Frontiers In Nutrition, [s.l.], v. 5, 14 jun. 2018. Frontiers Media SA.

Leia também