fbpx

O que são minerais quelados?

Postado em 9 de setembro de 2019 | Autor: Natália Lopes

Minerais quelados são aqueles ligados a compostos orgânicos e apresentam melhor biodisponibilidade

Os minerais são elementos inorgânicos, essenciais ao bom funcionamento do organismo, crescimento e metabolismo e, de acordo com a necessidade de ingestão, podem ser classificados como macrominerais, quando a necessidade de ingestão igual ou superior a 100mg/dia (ex.: cálcio, magnésio, potássio, e fósforo), ou microminerais, quando a necessidade de ingestão diária é menor que 100mg (ex.: cromo, cobre, magnésio, cobalto, molibdênio, ferro, selênio e zinco).1,2

Os minerais são naturalmente ingeridos na forma inorgânica através alimentação, porém nessa forma química, eles estão mais susceptíveis a interações entre si e com outros nutrientes, como as vitaminas, assim, dificilmente conseguimos absorver e utilizar todo o conteúdo de minerais disponíveis nos alimentos que consumimos³. O mesmo acontece quando ingerimos suplementos alimentares que contêm minerais na forma inorgânica, normalmente ligados a outros compostos químicos, como cloretos, sulfatos, carbonatos e óxidos. Nesta composição, os minerais possuem uma menor biodisponibilidade, ou seja, uma menor capacidade de absorção e de atender as demandas fisiológicas dos tecidos orgânicos, por isso, busca-se a suplementação através de minerais quelados ou orgânicos¹.

São conhecidos como minerais quelados ou orgânicos os minerais que se ligam a agentes quelantes, tais como aminoácidos, peptídeos, polissacarídeos complexos e ácido etileno-minotetraacético (EDTA)¹, dessa forma, há um aumento na disponibilidade biológica, solubilidade e estabilidade do mineral, que passa a ser melhor aproveitado pelo organismo.

Diversos estudos têm comparado os efeitos da suplementação de minerais inorgânicos com os minerais quelados, tanto em humanos como em animais. Em animais, já foi observado que na presença de suplementação de minerais quelados, estes apresentam maior digestibilidade, absorção e retenção no organismo4, além de aumento significativo nas concentrações séricas e menor excreção do que os minerais inorgânicos5.

Em humanos, observa-se que a suplementação de ferro quelado, por exemplo, aumenta os níveis séricos de hemoglobina e ferritina em gestantes6 e causa menos desconfortos gastrointestinais quando comparado a suplementação de sulfato ferroso7. Além de necessitar de uma menor quantidade de suplementação, a biodisponibilidade de outros minerais, como cálcio, zinco e magnésio, também é melhor na forma quelada quando comparada às formas inorgânicas1,2.

Assim, entende-se que a oferta de suplementos alimentares compostos por minerais quelatos seja mais bem aproveitada principalmente por pacientes que apresentam necessidades nutricionais elevadas  ou alteração da capacidade de absorção, como idosos, gestantes, pacientes que realizaram cirurgia bariátrica e com alterações intestinais.

Patrocínio:

Referências:

SANTOS, Silvia et al. Biodisponibilidad de minerales que lados y no que lados: una revisión sistemática. Revista Chilena de Nutrición, [s.l.], v. 45, n. 4, p.381-392, dez. 2018. SciELO Comision Nacional de Investigacion Cientifica Y Tecnologica (CONICYT).

GOFF, Jesse P.. Invited review: Mineral absorption mechanisms, mineral interactions that affect acid–base and antioxidant status, and diet considerations to improve mineral statusJournal Of Dairy Science, [s.l.], v. 101, n. 4, p.2763-2813, abr. 2018. American Dairy Science Association.

COZZOLINO, Silvia M. Franciscato. Biodisponibilidade de nutrientes. 5ed. São Paulo: Editora Manole, 2016.

LIU, Y. et al. Digestibility and retention of zinc, copper, manganese, iron, calcium, and phosphorus in pigs fed diets containing inorganic or organic minerals. Journal Of Animal Science, [s.l.], v. 92, n. 8, p.3407-3415, 1 ago. 2014. Oxford University Press (OUP).

YENICE, Engin et al. Effects of Organic and Inorganic Forms of Manganese, Zinc, Copper, and Chromium on Bioavailability of These Minerals and Calcium in Late-Phase Laying Hens. Biological Trace Element Research, [s.l.], v. 167, n. 2, p.300-307, 25 mar. 2015. Springer Science and Business Media LLC.

KAMDI, S. P.; PALKAR, P. J.. Efficacy and safety of ferrous asparto glycinate in the management of iron deficiency anaemia in pregnant women. Journal Of Obstetrics And Gynaecology, [s.l.], v. 35, n. 1, p.4-8, 24 jun. 2014. Informa UK Limited.

MOETY, Ghada Abdel Fattah Abdel et al. Amino acid chelated iron versus an iron salt in the treatment of iron deficiency anemia with pregnancy: A randomized controlled study. European Journal Of Obstetrics & Gynecology And Reproductive Biology, [s.l.], v. 210, p.242-246, mar. 2017. Elsevier BV.

 

Leia também