fbpx


Alimentos orgânicos e convencionais: afinal, quais são as diferenças?

Postado em 20 de junho de 2022

As agriculturas orgânica e convencional compartilham da mesma prioridade: produzir alimentos seguros e nutritivos

A agricultura é essencial para a sobrevivência dos seres humanos. Segundo a FAO, estima-se que até 2050 a demanda alimentar da população mundial irá dobrar. Ou seja, os agricultores terão que produzir mais, utilizando os recursos naturais de forma sustentável e vencendo os efeitos das mudanças climáticas. Atualmente, existem duas formas principais de agricultura: a agricultura orgânica e a agricultura convencional. Confira as diferenças entre os alimentos gerados nestas duas formas de produção.

orgânicos e convencionais

Fonte: Shutterstock

O que são alimentos orgânicos?

Os alimentos orgânicos são provenientes da agricultura orgânica. Essa agricultura é focada em um gerenciamento ecológico da produção, utilizando produtos de proteção de cultivos de origem não sintética, incluindo produtos biológicos, e práticas que incentivam insetos benéficos a controlar pragas, rotação de culturas e adubos orgânicos (esterco de animais e resíduos vegetais).

Frequentemente achamos que “agricultura orgânica” significa “sem defensivos”, mas os agricultores orgânicos podem utilizar diversos defensivos em seus cultivos, desde que sejam uso não sintéticos, ou seja, substâncias autorizadas em legislação específica que são preferencialmente derivadas de fontes naturais, como por exemplo, cobre ou enxofre.

Na agricultura orgânica, não é permitido o cultivo de culturas geneticamente modificadas, porém, os bioinseticidas Bt (cepas de bactérias Bacillus thuringiensis) são exemplos de defensivos biológicos comerciais usados por mais de 50 anos para controlar pragas de insetos em cultivos orgânicos (são justamente as proteínas ativas dessas formulações que foram isoladas e otimizadas para serem expressas em culturas geneticamente modificadas (GM) protegidas contra insetos).

 

Entraves na produção de alimentos orgânicos

A agricultura orgânica possui uma produtividade mais baixa em comparação com a agricultura convencional e por depender muito da aragem mecânica, pode resultar em erosão do solo e perda de água. Além disso, devido à baixa escala de comercialização, à baixa demanda dos consumidores, e aos custos mais altos de produção, alimentos orgânicos tendem a ser mais caros e, portanto, menos acessíveis a população.

 

O que são “alimentos convencionais”?

Os alimentos convencionais são aqueles provenientes da agricultura convencional. Essa agricultura permite o uso de tecnologias que otimizam a produtividade dos cultivos, ao mesmo tempo em que preservam os recursos naturais, como uso de produtos derivados da biotecnologia (majoritariamente, Organismos Geneticamente Modificados – OGMs), defensivos agrícolas, fertilizantes sintéticos, entre outras.

Os defensivos agrícolas são utilizados na agricultura convencional como ferramentas de proteção de cultivos, como por exemplo, os herbicidas para o manejo de plantas daninhas (plantas que competem pelos mesmos recursos que a cultura, como água, luz, espaço e nutrientes), os inseticidas para o manejo de insetos praga que consomem as plantações e os pesticidas para combater as doenças que debilitam os cultivos (fungicidas para doenças causadas por fungos). Sem o uso dessas ferramentas, as perdas na produção de alimentos poderiam facilmente dobrar.

Além disso, a agricultura convencional também pode fazer uso de culturas geneticamente modificadas (GM), que proporcionam, por exemplo, proteção contra as pragas e doenças ou tolerância ao estresse hídrico. E são muitos os benefícios da biotecnologia para a alimentação.

A agricultura convencional também pode fazer uso de altas tecnologias, como maquinários e tratores.

 

Saiba mais: Qual o impacto da agricultura tradicional e moderna na segurança alimentar?

 

No Brasil, a agricultura convencional pode ocorrer tanto em produções de pequeno ou médio porte, representadas no que chamamos de agricultura familiar; ou ainda em produções de grande porte, representadas pelas monoculturas do agronegócio, em grande parte produtoras e exportadoras de produtos como soja, milho e cana de açúcar.

Atualmente, os alimentos produzidos por meio da agricultura convencional, representam uma grande importância econômica para o país, sendo responsáveis por contrabalancear prejuízos acumulados em outros setores da economia.

 

Então, qual é melhor: agricultura orgânica ou convencional?

Não há maneira certa ou errada de cultivar, mas cada escolha do agricultor pode ter vantagens e desvantagens, afetando o meio ambiente de maneiras diferentes. É por isso que dar aos agricultores a opção de utilizar todas as ferramentas disponíveis permite que eles tomem as melhores decisões e continuem oferecendo escolhas aos consumidores.

Do ponto de vista do consumidor, os alimentos convencionais e orgânicos são igualmente nutritivos, de acordo com o confirmado em uma revisão maciça de 237 estudos publicada pela Universidade de Stanford. Foram testados diversos cultivos durante quatro décadas e não há evidências de que haja uma diferença nutricional ou entre alimentos orgânicos e convencionais.

Mais recentemente, concluiu-se que as evidências atuais não garantem os benefícios de saúde a longo prazo associados a ingestão de alimentos orgânicos.

O que sabemos é que, independente da forma de produção, a priorização de alimentos frescos deve ser sempre a orientação principal, visando a manutenção da saúde e prevenção de doenças.

 

Acesse também:

Por que devemos indicar a feira?

 

Referências:

DE FARIA, Vanêssa Lopes; MELLONI, Rogério; MELLONI, Eliane Guimarães Pereira. Qualidade do Solo sob Cultivo de Banana em Sistemas de Produção Orgânico e Convencional em Gonçalves (MG). Revista Brasileira de Geografia Física, v. 14, n. 03, p. 1206-1219, 2021.

EDUARDO, Márcio F.; FINATTO, Roberto. A Produção Orgânica no Brasil: uma análise com base no Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos (2013-2019). Anais do IX Simpósio Internacional de Geografia Agrária (IX SINGA). Recife: UFPE, p. 3066-3085, 2019.

FAO: Food and Agriculture Organization The United Nations. Organic Agriculture: What is organic agriculture?

GAZZOLA, Rosaura et al. Agricultura orgânica e convencional em Santa Catarina: análise comparativa dos produtores. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v.13, nº 1, p. 89-96, 2018.

GUARNIERI, Patrícia et al. Agronegócios: perspectivas. Editora Universidade de Brasília, 2020.

Koch Michael S., Ward Jason M., Levine Steven L., Baum James A., Vicini John L., Hammond Bruce G. The food and environmental safety of Bt crops. Frontiers in Plant Science. Volume 6 (2015). DOI: 10.3389/fpls.2015.00283

LE CAMPION, Antonin et al. Conventional versus organic farming systems: dissecting comparisons to improve cereal organic breeding strategies. Organic Agriculture, v. 10, n. 1, p. 63-74, 2020.

LIMA, Sandra Kitakawa et al. Produção e consumo de produtos orgânicos no mundo e no Brasil. Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), Brasília, 2020.

Smith-Spangler, Crystal, Margaret L. Brandeau, Grace E. Hunter, J. Clay Bavinger, Maren Pearson, Paul J. Eschbach, Vandana Sundaram, et al. “Are Organic Foods Safer or Healthier than Conventional Alternatives?: A Systematic Review.” Annals of Internal Medicine 157, no. 5 (September 4, 2012): 348–66. https://doi.org/10.7326/0003-4819-157-5-201209040-00007.

Vigar, Vanessa et al. “A Systematic Review of Organic Versus Conventional Food Consumption: Is There a Measurable Benefit on Human Health?.” Nutrients vol. 12,1 7. 18 Dec. 2019, doi:10.3390/nu12010007

Cadastre-se e receba nossa newsletter