fbpx


1 passo de cada vez: mudanças alimentares e o impacto ambiental no Reino Unido

Postado em 1 de julho de 2021 | Autor: Aline Palialol | Tempo de leitura: 5 min.

Pegadas ambientais mais reduzidas são observadas em dietas com maior consumo de hortaliças


Os sistemas alimentares são uma cadeia de processos que envolvem a produção, o processamento e a distribuição do alimento até sua preparação e consumo. Como toda e qualquer ação humana, os sistemas alimentares geram impactos ambientais, os quais foram percebidos pelo Reino Unido que decidiu implantar, entre as estratégias para alcançar uma redução da emissão de gases de efeito estufa até 2050, mudanças alimentares como a redução do consumo atual de alimentos de origem animal por alimentos à base de plantas.
Desde 2003, o Reino Unido tem uma campanha conhecida como “5 por dia”, na qual recomenda o consumo de 5 porções de uma variedade de frutas e legumes frescos, enlatados ou congelados (incluindo leguminosas) todos os dias para a melhora do estado de saúde da população e a redução das “pegadas” ambientais. As pegadas ambientais são os rastros ou impactos provocados ao ambiente a partir das atividades humanas, geralmente associadas à emissão de gases que pioram o efeito estufa, como o gás carbônico.
Sabendo dessa ação do Reino Unido, um estudo buscou quantificar os efeitos na saúde, as pegadas ambientais e o custo associados a 4 caminhos distintos para atender a essa recomendação.  Para isso, foram utilizados auto relatos da ingestão alimentar de 4.528 indivíduos com idade entre 12 e 95 anos, durante 4 dias. Os participantes foram escolhidos aleatoriamente entre a população britânica que respondeu à Pesquisa Nacional de Dieta e Nutrição (NDNS) e observou-se que entre 2011 e 2017 a população acima de 12 anos, consumia cerca de 88g de frutas e 140g de hortaliças, diariamente. Com esses dados, os pesquisadores desenvolveram 4 possíveis caminhos para alcançar a recomendação dos “5 por dia”:

  1. Consumir mais de todas as variedades de frutas e hortaliças, baseado no consumo atual;
  2. Consumir apenas mais hortaliças devido ao seu menor teor de açúcar e suas pegadas ambientais geralmente mais baixas;
  3. Consumir mais frutas e hortaliças produzidas no país para apoiar a segurança alimentar nacional e a resiliência às mudanças climáticas;
  4. Consumir apenas mais hortaliças produzidas no país.

Confira os principais impactos se tais dietas forem adotadas:

Dieta atual

Caminho 1 Caminho 2 Caminho 3 Caminho 4

Pegada ambiental (emissão de CO₂/pessoa em kg)

6,2

5,9 5,7 5,9

5,7

Custo da dieta (libras)

6,78

7,14 7,12 7,24

7,21

Expectativa de vida (anos)

81,1 81,8 81,8 81,7

81,7

Nos quatro caminhos sugeridos, o consumo de hortaliças aumentou, em média, 76%, enquanto o consumo de frutas aumentou cerca de 75% no caminho 1 e 52% no caminho 2. As dietas focadas no Reino Unido aumentaram o consumo em uma variedade mais ampla de frutas e vegetais do que as dietas 1 e 2, no entanto, são mais caras.
Sobre a saúde, em todas as dietas observaram-se efeitos positivos, sendo que aproximadamente 80% dos ganhos de saúde foram atribuídos ao aumento do consumo de frutas e hortaliças e o restante foi atribuível à diminuição do consumo de carne vermelha e processada. Quando comparados com as dietas médias atuais no Reino Unido, todos os 4 caminhos para “5 por dia” reduziram o total de gases de efeito estufa provocados pela alimentação, sendo as maiores reduções notadas na dieta 2 (uma redução de 8,2%) seguida pela dieta 3, com uma redução de 7%.
Os autores concluíram que os benefícios foram notáveis para a saúde da população e para o meio ambiente nas 4 vias hipotéticas para atender à recomendação de 5 porções de frutas e hortaliças por dia no Reino Unido. Essas mudanças alimentares poderiam contribuir para 10-31% da meta de reduzir o impacto ambiental. Além disso, ressaltam que maiores reduções nos gases de efeito estufa foram alcançadas por meio da priorização do aumento de hortaliças em relação às frutas, uma vez que essas dietas resultaram em maiores reduções no consumo de carne, pois muitos substitutos da carne são à base de vegetais e os vegetais tendem a ser consumidos como parte de uma refeição salgada, ou seja, em maior quantidade quando comparados às frutas, que geralmente são consumidas apenas como um lanche.
Por fim, declaram que seria necessária uma mudança substancial de comportamento para alcançar os benefícios descritos neste estudo, dado os custos adicionais das dietas, assim como medidas políticas e econômicas que incentivem o consumo de frutas e hortaliças em detrimento de outros mais prejudiciais à saúde e ao meio ambiente, como a carne vermelha. Só assim seria possível reduzir de fato as pegadas ambientais das dietas britânicas.

Referência
Patricia Eustachio Colombo, James Milner, Pauline F D Scheelbeek, Anna Taylor, Alexandr Parlesak, Thomas Kastner, Owen Nicholas, Liselotte S Elinder, Alan D Dangour, Rosemary Green, Pathways to “5-a-day”: modeling the health impacts and environmental footprints of meeting the target for fruit and vegetable intake in the United KingdomThe American Journal of Clinical Nutrition, 2021.

Assine nossa newsletter: