>


Refluxo gastroesofágico: como orientar a alimentação?

Postado em 7 de fevereiro de 2022

O modo como o paciente faz as suas refeições pode influenciar na incidência dos sintomas do refluxo

alimentação para pacientes com refluxo

Orientar a alimentação do paciente diagnosticado com refluxo é uma das estratégias eficazes para controlar os sintomas dessa doença. Apesar de existir uma válvula que conduza a passagem do alimento na ordem do esôfago para o estômago, a doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) se apresenta como uma condição que retorna o conteúdo gástrico para a região do esôfago, de maneira repetitiva e involuntária e que pode ter diferentes causas.

Por que o refluxo gastroesofágico acontece?

Entre as causas do refluxo, podem-se citar problemas no esfíncter esofágico, a válvula citada anteriormente, que quando não se fecha totalmente pode aumentar as chances de ocorrer um refluxo após as refeições ou quando o indivíduo se deita.

Outras causas comuns são a fragilidade nos músculos que ajudam na passagem correta do alimento para o estômago e a hérnia de hiato que é um extravasamento do estômago na abertura pela qual o esôfago atravessa o diafragma para alcançar a cavidade abdominal, provocando azia e refluxo.

Além desses problemas fisiológicos, alguns hábitos durante as refeições ou após elas, podem facilitar o refluxo, como comer muito rápido ou em grandes proporções, ingerir líquidos em excesso junto às refeições e deitar-se logo após comer.

Ainda, segundo estudos, excesso de peso, IMC alto e tabagismo estão associados ao maior risco de DRGE.

E como orientar a alimentação do paciente com DRGE?

Além do tratamento medicamentoso com antiácidos e das mudanças no estilo de vida para perda de peso, interrupção do tabagismo e elevação do travesseiro na hora de dormir, a orientação dietética é essencial para reduzir os sintomas.

Por isso, recomendações gerais sobre a alimentação podem ser importantes para minimizar os sintomas do refluxo em crianças, adultos, gestantes e idosos. Abaixo está uma lista sobre o manejo dietético que deve ser orientado ao paciente ou seu cuidador:

  1. Reduzir as quantidades e aumentar a frequência das refeições: a redução das porções colabora para uma menor distensão do estômago e um esvaziamento gástrico mais rápido e a frequência ainda permite atender as necessidades nutricionais
  2. Evitar alimentos gordurosos: o consumo de alimentos com alto teor de gordura foi associado em diversos estudos ao aumento do risco de DRGE
  3. Mastigar bem os alimentos e sem pressa: essa é uma orientação que vale não somente para pacientes com DRGE. Mastigar bem e sem pressa ajuda na digestão e no esvaziamento gástrico, e permite que o paciente tenha atenção plena ao que consome, aumentando a saciedade e auxiliando também no tratamento de transtornos alimentares
  4. Controlar o consumo de sal: exagerar nas quantidades desse ingrediente aumenta o tempo de esvaziamento gástrico devido às alterações na osmolaridade da refeição
  5. Inserir fontes de fibra na dieta: as fibras foram citadas em estudos como fontes alimentares capazes de retardar a liberação de nutrientes que provocam a incidência dos refluxos
  6. Reduzir o consumo de álcool: segundo estudos, o álcool provoca uma maior secreção gástrica, o que aumenta as chances de ocorrem refluxos
  7. Evitar comer pouco antes de deitar: fazer refeições tardias e logo ficar em posição horizontal facilita o trânsito gástrico para o esôfago. Por isso, recomenda-se que a última refeição seja feita até 3h antes do descanso
  8. Evitar ingerir líquidos durante a refeição: além de diluir o ácido gástrico, o que diminui a eficácia da digestão, a passagem de líquidos durante o comer pode atrapalhar a função do esfíncter esofágico.

Lactentes necessitam de intervenções mais específicas para não afetar o ganho de peso, nem privá-los de suas necessidades energéticas, confira mais detalhes clicando aqui.

 

Referências

Fox, Mark & Heinrich, Henriette. (2014). Advanced Nutrition and Dietetics in Gastroenterology. 10.1002/9781118872796.ch3.3.

Leung AK, Hon KL. Gastroesophageal reflux in children: an updated review. Drugs Context. 2019 Jun 17;8:212591. doi: 10.7573/dic.212591. PMID: 31258618; PMCID: PMC6586172.

Maret-Ouda J, Markar SR, Lagergren J. Gastroesophageal Reflux Disease: A Review. JAMA. 2020;324(24):2536–2547. doi:10.1001/jama.2020.21360

Prefeitura Municipal de Campinas. Orientações nutricionais para refluxo e gastrite. 2020

Rosen R, Vandenplas Y, Singendonk M, Cabana M, DiLorenzo C, Gottrand F, Gupta S, Langendam M, Staiano A, Thapar N, Tipnis N, Tabbers M. Pediatric Gastroesophageal Reflux Clinical Practice Guidelines: Joint Recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology, and Nutrition and the European Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology, and Nutrition. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 2018 Mar;66(3):516-554. doi: 10.1097/MPG.0000000000001889. PMID: 29470322; PMCID: PMC5958910.

Word Gastroenterology Organisation. Gastroesophageal Reflux Disease (GERD) Practice Guideline. 2015.

Cadastre-se e receba nossa newsletter