Quem são os super-idosos?

Postado em 17 de junho de 2019 | Autor: Natália Lopes

São chamados de super-idosos pessoas com 80 anos ou mais que, diante de um teste cognitivo, apresentam um desempenho igual ou superior ao de pessoas na faixa de 50 a 60 anos

O Brasil e o mundo estão passando por uma importante transição demográfica, caracterizada pelo aumento da população idosa, sendo que a perspectiva da Organização das Nações Unidas é de que atinjamos o número de 2 milhões de idosos no mundo no ano de 2050.

Essa mudança na população, acompanhada de melhores condições de saneamento e acesso a tratamentos médicos, faz aumentar também o número de idosos com idade acima de 80 anos, 90 e 100 anos, os chamados centenários. Porém, uma característica de parte dessa população tem chamado atenção, que é o aumento de pessoas com mais de 80 anos e que não possuem nenhum tipo de doença ou comprometimento clínico: são os super-idosos.

São chamados de super-idosos pessoas com 80 anos ou mais que, diante de um teste cognitivo, apresentam um desempenho igual ou superior ao de pessoas na faixa de 50 a 60 anos. Além disso, são consideradas saudáveis por não apresentarem doenças crônicas e não utilizarem medicamento. Essa população corresponde a, aproximadamente, 10% da população com 80 anos ou mais e tem despertado o interesse de pesquisadores do mundo inteiro que tentam descobrir o segredo dessa longevidade, sobretudo para se encontrar um caminho de prevenção e tratamento para as doenças neurodegenerativas, como a Doença de Alzheimer.

O que se sabe até agora é que esses idosos mantêm durante toda a sua vida a prática de atividade física regular, uma alimentação equilibrada, boas relações familiares e sociais e uma postura positiva diante das adversidades da vida, sendo que os super-idosos normalmente apresentam perfil de dieta próximo ao recomendado pela dieta Mediterrânea e Mind.

Metabolicamente, esses idosos apresentam um perfil de microbiota intestinal próprio, com aumento de bactérias simbióticas, menor encurtamento de telômeros e alteração de metabólitos envolvidos na neuroplasticidade e preservação do córtex cerebral, como aumento de citrulina e aspartato e redução de interleucinas pró-inflamatórias, conferindo a essa população maior proteção contra as perdas fisiológicas da senescência.

Referências

BORELLI, Wyllians Vendramini et al. Operationalized definition of older adults with high cognitive performance. Dementia & Neuropsychologia, [s.l.], v. 12, n. 3, p.221-227, set. 2018. FapUNIFESP

CALIL, Silvia R.b. et al. Adherence to the Mediterranean and MIND diets is associated with better cognition in healthy seniors but not in MCI or AD. Clinical Nutrition Espen, [s.l.], v. 28, p.201-207, dez. 2018. Elsevier BV.

MCDONALD, Roger B.; RUHE, Rodney C.. Aging and Longevity: Why Knowing the Difference Is Important to Nutrition Research. Nutrients, [s.l.], v. 3, n. 3, p.274-282, 28 fev. 2011. MDPI AG.

Organização das Nações Unidas, 2019.

VIDAčEK, Nikolina Škrobot et al.Telomeres, Nutrition, and Longevity: Can We Really Navigate Our Aging?. The Journals Of Gerontology: Series A, [s.l.], v. 73, n. 1, p.39-47, 16 maio 2017. Oxford University Press (OUP).

ZABIELSKA, Paulina et al. Gender-Specific Differences in Concentrations of Biochemical Parameters in Persons over the Age of 90. International Journal Of Environmental Research And Public Health, [s.l.], v. 16, n. 11, p.1-14, 30 maio 2019. MDPI AG.

Leia também