fbpx

Vantagens e desvantagens dos atuais métodos de avaliação da composição corporal

Postado em 7 de janeiro de 2019 | Autor: Marcella Gava

Estudo discutiu vantagens e desvantagens de instrumentos como US, BIA, TC e DXA

Revisão de literatura abordou as vantagens e desvantagens de métodos para avaliação de composição corporal de pacientes a beira do leito, contemplando ultrassonografia, impedância bioelétrica, tomografia computadorizada e DXA.

ULTRASSONOGRAFIA (US):

  • Vantagens: o fato de ser portátil, baixo custo, não invasiva, confiabilidade satisfatória, seguro para repetidas mensurações, avalia alterações musculares longitudinais;
  • Desvantagens: a ausência de pontos de corte para diagnósticos, escassez de protocolos clínicos e concordância em sua utilização e utilização limitada em situações com edema excessivo.

IMPEDÂNCIA BIOELÉTRICA (BIA):

  • Vantagens: portabilidade, baixo custo, rapidez, método não invasivo, simples e reprodutível, e seguro para repetidas mensurações;
  • Desvantagens: o fato de ser um método indireto, ser limitado pelo estado de hidratação, e a necessidade de equação específica para cada população.

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC):

  • Vantagens: presença de valores validados para pontos de corte, alta acurácia quantitativa e qualitativa, imagem de alta resolução, capacidade de determinar a qualidade tissular, e alta precisão;
  • Desvantagens: não portabilidade, alto custo, alta exposição radioativa, requer destreza  técnica para análise da imagem, e examinação conveniente.

ABSORMETRIA DE DUPLO RAIO-X (DXA):

  • Vantagens:  habilidade na diferenciação entre gordura, massa magra e esquelética, rápida e não invasiva, baixa exposição a radiação, possibilidade de obtenção de mensurações locais, segura para repetidas medidas e alta precisão e acurácia;
  • Desvantagens: não portabilidade, alto custo, variação de procedimentos para calibração do instrumento, de hardwares e de versões de softwares entre fornecedores, espessura do corpo e estado de hidratação podem influenciar as medidas, contraindicado na gestação, inabilidade de discriminação dos diferentes tipos de gorduras (visceral, subcutânea e intramuscular) e capacidade técnica específica e experiência do operador.

Concluiu-se que os métodos descritos podem ser muito uteis, contribuindo para o conhecimento e monitorização do estado nutricional dos pacientes, bem como para  intervenções nutricionais adequadas. A utilização do US para avaliação da composição corporal é respaldada por sua facilidade e baixo custo. A TC traz conhecimento adicional para o campo da oncologia e sarcopenia. A BIA pode ser utilizada como prognostico e para avaliação da composição corporal. Já o DXA é de grande valor para o estudo da sarcopenia.

Resumo das discussões realizadas:

Características

US

BIA

TC

DXA

População

Amplo espectro

Amplo espectro

CA, cirurgia abdominal, pacientes com exame prévio

Não intubados

Contraindicação

Não

Gestante

Não utilizado exclusivamente para avaliação da composição corporal devido exposição a radiação

Intubação

Baixo custo

+++

+++

+

+

Segurança

+++

+++

++

++

Replicabilidade

++

++

+++

++

Acurácia

++

++

+++

+++

Referência:

Ceniccola GD, Castro MG, Piovacari SMF, Horie LM, Correa FG, Barrere APN, Toledo DO. Current technologies in body composition assessment: advantages and disadvantages. Nutrition (2018), no prelo.