fbpx

Série Micronutrientes – Qual a importância da vitamina C para a saúde?

Postado em 10 de junho de 2019 | Autor: Natália Lopes

Conheça as características da vitamina C, seu metabolismo e sinais de deficiência

A vitamina C é uma vitamina hidrossolúvel, também conhecida como ácido ascórbico, ascorbato e ácido deidroascórbico, facilmente encontrada nos alimentos de origem vegetal. O Ascorbato é a sua forma ativa, o qual participa como cofator de enzimas, síntese de colágeno, carnitina, ATP e noraepinefrina, auxilia a conversão de colesterol em ácidos biliares, participa do sistema de defesa e atua como importante antioxidante.

Sua absorção e excreção são controladas pela concentração sanguínea e nos tecidos. A absorção, por transporte passivo ou ativo dependente de sódio, é rápida e eficiente quando existe deficiência, podendo atingir uma absorção de 80 a 95% do conteúdo de vitamina C do alimento. Porém, o consumo de altas doses da vitamina em curto espaço de tempo, superior a 500mg na mesma refeição, seja através da alimentação ou de suplementação, reduz sua absorção e aumenta a excreção.  O excesso de vitamina C no lúmen intestinal se torna substrato das bactérias e pode estar relacionado a sintomas gastrointestinais como desconfortos e diarreia. O excesso de vitamina C não metabolizada também pode ser excretado pela urina, resultando em aumento da excreção de oxalato e ácido úrico, formação de cálculo renal, além de apresentar um efeito sistêmico pró-oxidante.

Os sinais de deficiência se manifestam após cerca de 4 a 6 meses de baixa ingestão, sendo considerado quadro de hipovitaminose uma concentração plasmática menor de 0,4mg/dL. Sintomas como baixa cicatrização de feridas, gengivite, hemorragias perifoliculares, equimoses e petéquias estão relacionados à biossíntese de colágeno, que encontra-se prejudicada na deficiência de vitamina C. Outros sintomas de deficiência grave são mal-estar e fadiga ou letargia que podem ser explicados pela biossíntese deficiente de carnitina, alteração na produção de ATP e diminuição da síntese do neurotransmissor norepinefrina. O escorbuto é a principal doença relacionada à deficiência de vitamina C, manifestando-se quando a concentração plasmática da vitamina  é inferior a 0,2mg/dL.

Embora seja frequentemente associada a melhora de gripes e resfriados, não há evidências científicas que justifique a suplementação da vitamina para esse fim. Sua ação antioxidante tem sido associada a doenças cardiovasculares e câncer, porém estudos randomizados e controlados também são necessários para comprovar essa ação e identificar as doses de ingestão mais adequadas para se atingir o efeito esperado. Já seu papel indireto no tratamento da anemia ferropriva está bem estabelecido, uma vez que a vitamina C otimiza a absorção intestinal de fero não-heme.

As melhores fontes alimentares da vitamina são frutas, legumes e verduras cruas, já que é facilmente perdida durante a cocção dos alimentos. As principais fontes são: frutas cítricas, acerola, kiwi, manga e vegetais como brócolis, tomate e pimentão. O conteúdo de vitamina C nos alimentos e sua recomendação de ingestão diária podem ser observados nos quadros abaixo.

 

Quadro 1. Conteúdo de vitamina C em 100g de alimentos.

Alimento Quantidade de vitamina C (mg)
Acerola crua 940
Agrião 30
Brócolis cozido 42
Caju cru 219,4
Goiaba vermelha 73,3
Kiwi 70,8
Laranja pera 53,7
Mamão papaia 82,2
Manga palmer 65,5
Morango fresco 63,6
Tomate fresco 21,2

 

Quadro 2. Recomendação de ingestão de vitamina C.

Fase da vida AI (mg/d) EAR (mg/d) RDA (mg/d)
0 a 6 meses 40
7 a 12 meses 50
1 a 3 anos 13 15
4 a 8 anos 22 25
9 a 13 anos 39 45
14 a 18 anos 63 65 (M) 75 (H)
19 a ≥70 anos 60 (M) 75 (H) 75 (M) 90 (H)
Gestação
   14 a 18 anos 66 80
   ≥ 19 anos 70 85
Lactação
   14 a 18 anos 96 115
   ≥ 19 anos 100 120

Referências:

COZZOLINO, Silvia M. Franciscato. Biodisponibilidade de nutrientes. 5ed. São Paulo: Editora Manole, 2016.

Dietary Reference Intakes (DRIs)

LYKKESFELDT, Jens; MICHELS, Alexander J.; FREI, Balz. Vitamin C. Advances In Nutrition, [s.l.], v. 5, n. 1, p.16-18, 1 jan. 2014. Oxford University Press (OUP).