fbpx


Cuidados Nutricionais em UTI: recomendações atuais

Postado em 28 de outubro de 2021 | Autor: Eduarda Rodrigues | Tempo de leitura: 4 min

A terapia nutricional é essencial para o bom prognóstico de pacientes críticos

Cuidados nutricionais em UTI

A terapia nutricional (TN) é fundamental para a reabilitação do paciente crítico, contudo a escolha da estratégia nutricional para o paciente em terapia intensiva (UTI) ainda gera inúmeras dúvidas para equipe multidisciplinar, devido à complexidade dos casos e as recomendações divergentes nas principais diretrizes clínicas.

Uma revisão publicada recentemente traz os destaques da principias recomendações de diretriz atuais, buscando responder às frequentes dúvidas dos profissionais da área sobre a terapia nutricional.

Estado nutricional: o fator do prognóstico

Em pacientes críticos além da doença ou trauma de base, o estado nutricional influência diretamente no seu prognóstico, considerando que a prevalecia de desnutrição está presente em 38 a 78% dos pacientes internados em UTI, com impacto na recuperação, tempo de internação e mortalidade desses pacientes.

Assim, a TN tem como objetivo prevenir a desnutrição e promover a recuperação de pacientes já desnutridos. As diretrizes atuais recomendam que protocolos bem definidos e adaptados a realidade da unidade é de suma importância para otimização da TN em pacientes críticos.

Avaliação nutricional de pacientes críticos

Para elaboração da estratégia nutricional mais adequada, a avaliação nutricional desses pacientes é utilizada para identificar déficits nutricionais que merecem ser corrigidos.

Para tal avaliação, as diretrizes atuais explicam que não há uma técnica considerada ‘’padrão ouro’’, mas sim o conjunto de ferramentas que juntas contribuem para o diagnóstico nutricional desses indivíduos, ressaltando que pacientes críticos devem ser constantemente avaliados para controle e monitoramento do seu estado nutricional.

Abaixo destacamos os métodos de avaliação recomendadas pelas diretrizes:

  • Triagem nutricional: Índice de Risco Nutricional (NRS 2002), o Índice NUTRIC (Risco Nutricional em Pessoas Críticas), a Avaliação Subjetiva Global (SGA) ou a Ferramenta de Triagem Universal de Má nutrição (DEVE);
  • História médica: idade, comorbidades, perda de função física;
  • História nutricional: perda de peso, redução da ingestão alimentar, perda de apetite;
  • Exame físico: IMC, edema, composição corporal (avaliando de acordo com o estado do paciente);
  • Gravidade da doença: os pacientes criticamente enfermos estão gravemente enfermos por definição.

Nutrição enteral e Parenteral

Para pacientes críticos, recomenda-se o uso da nutrição enteral (NE) ou/e nutrição parenteral (NP) para fornecimento do aporte nutricional.

Segundo as diretrizes, a nutrição enteral, apesar de susceptível a algumas complicações, especialmente relacionadas ao trato gastrointestinal, deve ser preferencialmente oferecida a pacientes internados na UTI em 24-48 h quando não há contraindicações, podendo ser administrada via sonda nasogástrica ou nasojejunal ou, se a administração passar de 4 semanas, deve ser considerada a gastrostomia ou jejunostomia.

Na fase aguda, apenas a NE muitas vezes não é capaz de suprir as metas de macronutrientes, assim de acordo com cada caso é recomendável à combinação de NE e NP na fase aguda para melhores desfechos clínicos.

Veja também: Como calcular o volume de dieta enteral a ser administrado por horário?

Macronutrientes e Suplementação de micronutrientes

Apesar de estudos antecedentes mostram que a elevação da ingestão enérgico-proteica está associada a melhores desfechos clínicos, ainda é pouco claro quais são as metas de ingestão, assim as diretrizes atuais recomendam que a valor a ser atingido seja cuidadosamente adaptado individualmente a cada paciente.

Apesar da literatura não ter descrito as quantidades ideias, as metas gerais podem ser calculadas da seguinte forma:

Energia: 24-30 kcal/kg/d

Proteína: 1,0–2 g/kg/d

Além disso, orientam o uso de calorimetria indireta para cálculo de gasto enérgico, considerando a ingestão de calorias não nutricionais, como os sedativos. Saiba mais em: Sedativos impactam no consumo energético de pacientes em UTI?

Já com relação aos micronutrientes, a suplementação é indicada para contribuir na melhora do sistema imunológico e de indicadores inflamatórios, sendo indicada para tratar déficits existentes.

Apesar de pouco claro e em constante debate, a arginina, glutamina, ácidos graxos ômega-3, selênio, vitamina D e vitamina C, são exemplos de nutrientes recomendados para a suplementação de pacientes graves, entretanto as atuais diretrizes não recomendam doses farmacológicas desses micronutrientes.

Em conclusão, podemos afirmar que a terapia nutricional em unidades de terapia intensiva é um grande desafio, entretanto com as recomendações atuais, o profissional atuante nessa área consegue traçar estratégias que se adaptam a realidade de cada paciente, contribuindo com melhores  desfechos clínicos.

 

Referência

Hill, A.; Elke, G.; Weimann, A. Nutrition in the Intensive Care Unit—A Narrative Review. Nutrients 2021, 13, 2851.

Leia também



Cadastre-se e receba nossa newsletter