>


Fibrose cística: comparação de métodos de avaliação da composição corporal

Postado em 30 de maio de 2022

Na avaliação corporal em Fibrose Cística, a concordância entre as técnicas DXA e Dobras Cutâneas é moderada.

A fibrose cística (FC) é uma doença hereditária que gera diminuição da função pulmonar, má absorção e má digestão dos nutrientes. Sendo a desnutrição um fator de morbimortalidade, é recomendado que avaliações nutricionais frequentes sejam realizadas. Para analisar a composição corporal na fibrose cística, uma nova pesquisa buscou comparar a concordância entre as técnicas de densitometria (DXA) e medição das dobras cutâneas (DC). Confira os resultados a seguir.

fibrosa cística

Fonte: Canva

DXA e Dobras Cutâneas foram as técnicas comparadas em pacientes com fibrose cística

Atualmente, o DXA representa a opção preferencial para avaliar e monitorar as mudanças na composição corporal de pacientes com fibrose cística. Desse modo, os autores da pesquisa consideraram fundamental conhecer o grau de concordância entre o DXA e as dobras cutâneas, técnica mais facilmente implementada na rotina assistencial, além de ser mais acessível para as equipes de saúde.

Para isso, foi realizado um estudo transversal com 41 pacientes de fibrose cística clinicamente estáveis.

Para as dobras cutâneas, foram medidas dobras triciptal, biciptal, subescapular e suprailíaca. As porcentagens e quilogramas de massa de gordura e massa livre de gordura foram estimadas de acordo com fórmulas de predição.

Em DXA, foram registrados peso, gordura total e regional, e massa livre de gordura (kg). Também foi calculado o índice de massa livre de gordura (kg/m²).

Por fim, o diagnóstico de desnutrição foi estabelecido quando o Índice de Massa Livre de Gordura fosse menor que 17 kg/m² em homens ou menor que 15 kg/m² em mulheres, seguindo os parâmetros ESPEN.

 

A concordância entre as técnicas foi moderada

Conforme representado na tabela a seguir, os valores de massa de gordura e massa livre de gordura foram semelhantes em ambas as técnicas (DXA e DC). Já para os valores de Índice de Massa Livre de Gordura, a concordância foi apenas moderada.

 

Média por DXAMédia por Dobras Cutâneas (DC)
Massa de gordura (kg)Homens14.911.6
Mulheres14.815.3
Massa livre de gordura (kg)Homens52.852.1
Mulheres36.736.9
Índice de massa livre de gordura (kg/m²)Homens17.918.7
Mulheres14.714.9

A prevalência de desnutrição, levando em conta o Índice de Massa Livre de Gordura (<17 kg/m² em homens e <15 kg/m² em mulheres), foi maior em DXA do que em DC. Utilizando DXA, 20 pacientes apresentaram desnutrição. Enquanto isso, utilizando DC, apenas 16 pacientes apresentaram desnutrição.

 

Qual é a melhor ferramenta de avaliação de composição corporal em fibrose cística?

Apesar da boa concordância estatística entre DXA e DC para avaliar massa de gordura e massa livre de gordura, a concordância moderada para detecção de desnutrição levou os autores a concluírem que DXA deve continuar sendo a técnica de escolha para avaliação da composição corporal na Fibrose Cística.

Contudo, a mensuração das dobras cutâneas pode ser utilizada nos casos em que a utilização de DXA esteja inviável, seja pela falta de portabilidade do equipamento, a dificuldade de uso em pacientes com doenças pulmonares graves, ou por algum outro fator.

 

Referência

BOLÍVAR, Victoria Contreras et al. Assessment of body composition in cystic fibrosis: agreement between skinfold measurement and densitometry. Nutrición hospitalaria: Organo oficial de la Sociedad española de nutrición parenteral y enteral, v. 39, n. 2, p. 376-382, 2022.

Leia também



Cadastre-se e receba nossa newsletter