>


Dispepsia Funcional: diretrizes para diagnóstico e tratamento

Postado em 17 de agosto de 2022 | Autor: Redação Nutritotal

Com sintomas gastrointestinais recorrentes, a dispepsia possui diagnósticos e tratamentos específicos.

A dispepsia funcional é um distúrbio comum do eixo cérebro-intestino, com sintomas centrados no abdome superior. Neste artigo, saiba o que dizem as diretrizes a respeito do diagnóstico e do tratamento desta condição.

Diagnóstico e tratamento da Dispepsia funcional

Foto: Shutterstock.com

Em primeiro lugar, o que é a Dispepsia Funcional?

Segundo a definição atualizada da Sociedade Coreana de Neurogastrologia e Motilidade (KSNM), a dispepsia funcional (DF) é uma manifestação crônica e recorrente de sintomas gastrointestinais na ausência de doenças como úlcera péptica, refluxo gastroesofágico ou pancreatite.

Desse modo, quando há a presença de sintomas que não se explicam por uma outra enfermidade orgânica, sistêmica ou metabólica, indica-se um quadro de DF.

A Sociedade Britânica de Gastroenterologia (BSG) explica que a doença é causada por problemas na comunicação bidirecional entre o intestino superior e o cérebro. Problemas envolvendo os nervos que suprem o estômago e o duodeno podem causar, por exemplo, o prolongamento do tempo de esvaziamento estomacal.

Causas ambientais podem ainda piorar os sintomas, como o estresse, a alimentação e a infecção por H. pylori. Fatores de risco incluem também: sexo feminino, tagabismo e uso de anti-inflamatórios não esteroidais.

Como se dá seu diagnóstico?

Para a Sociedade Japonesa de Gastroenterologia (JSGE), a dispepsia funcional deve ser diagnosticada com base em uma avaliação abrangente dos sintomas, idade, histórico médico, presença de infecção por H. pylori e histórico laboratorial.

Os sintomas crônicos mais relatados pelas diretrizes, em consenso com a classificação ROMA IV, incluem:

  • Dor epigástrica;
  • Queimação epigástrica;
  • Saciedade precoce: sensação anormalmente cheia no início de uma refeição;
  • Plenitude pós-prandial: sensação de peso no abdômen que piora após comer.

Assim, quando esses sintomas permanecem após 8 semanas, tem-se o diagnóstico de dispepsia funcional. Alguns outros problemas que podem ser relacionados à enfermidade incluem: inchaço, distensão abdominal, azia, arrotos, náuseas e vômitos. Contudo, a inclusão destes sintomas para diagnosticar DF não é consensual.

Além disso, a maioria das diretrizes ocidentais e orientais concordam que a realização de uma endoscopia digestiva alta é obrigatória para estabelecer um diagnóstico de DF, principalmente na suspeita de outros distúrbios e em pacientes mais velhos.

A KSNM também recomenda o teste por infecção por H. pylori em pacientes dispépticos que não respondem a supressores de ácido ou procinéticos. Em concordância, a BSG recomenda testes não invasivos.

Como deve ser o tratamento?

O tratamento de dispepsia funcional pode se dar em três níveis: tratamento de primeira linha, tratamento de segunda linha e terapias complementares. Confira-as a seguir.

Tratamento de primeira linha

O uso de inibidores de bomba de prótons (IBPs) é o tratamento de primeira linha para a dispepsia funcional, recomendado pelas atuais diretrizes. Para pacientes positivos para H. pylori, a terapia de erradicação é o tratamento mais razoável.

As orientações de estilo de vida também fazem parte do tratamento de primeira linha. Em primeiro lugar, é recomendado que todos os pacientes com dispepsia funcional façam exercícios aeróbios regulares. Já em relação à modificações dietéticas, é desejável evitar alimentos que induzam ou exacerbem os sintomas, como os alimentos gordurosos. Isso acontece pois o lipídio intraduodenal aumenta a sensibilidade à distensão gástrica e induz plenitude e desconforto abdominal nestes pacientes.

Outros alimentos também relacionados a sintomas dispépticos em estudos anteriores incluem: leite, laticínios, trigo, condimentos, bebidas gaseificadas e café. No entanto, as diretrizes alertam para a falta de evidências suficientes em relação às terapias dietéticas. Além disso, restringir demais a dieta pode levar à desnutrição e hábitos alimentares anormais. Neste sentido, pesquisas mais bem delineadas ainda são necessárias.

Tratamento de segundo linha

Para outros fármacos além dos IBPs, as recomendações variam. Segundo a BSG e a KSNM, por exemplo, os antagonistas do receptor de histamina-2 podem ser um tratamento eficaz para DF, especialmente a curto prazo.

Outros medicamentos citados nas diretrizes como viáveis para DF incluem os procinéticos, os antidepressivos tricíclicos, e os antipsicóticos, sempre em doses seguras, e de forma cuidadosa com os efeitos colaterais.

Em relação à fitoterapia, a JSGE sugere o rikkunshito, um fitoterápico japonês.

Terapias complementares

Para a KSNM, as terapias psicológicas podem ser consideradas quando as terapias medicamentosas são ineficazes, tendo em vista a influência do cérebro nos nervos do intestino superior.

Neste sentido, a BSG recomenda a psicodinâmica interpessoal, a terapia cognitivo-comportamental (TCC), ou ainda a terapia metacognitiva. Além disso, afirmam que o gerenciamento do estresse e a hipnoterapia podem ser um tratamento eficaz.

Se você gostou deste conteúdo, leia também:

Referências

BLACK, Christopher J. et al. British Society of Gastroenterology guidelines on the management of functional dyspepsia. Gut, 2022.

MIWA, Hiroto et al. Evidence-based clinical practice guidelines for functional dyspepsia 2021. Journal of Gastroenterology, p. 1-15, 2022.

OH, Jung Hwan et al. Clinical practice guidelines for functional dyspepsia in Korea. Journal of neurogastroenterology and motility, v. 26, n. 1, p. 29, 2020.

MOSHIREE, Baha; TALLEY, Nicholas J. Functional dyspepsia: A critical appraisal of the European consensus from a global perspective. Neurogastroenterology & Motility, v. 33, n. 9, p. e14216, 2021.

Cadastre-se e receba nossa newsletter