Qual o impacto do microbioma na saúde da criança?

Postado em 15 de agosto de 2018 | Autor: Natalia Lopes

A microbiota intestinal desempenha papel fundamental na maturação do sistema imunológico e na prevenção de doenças que podem ocorrer durante o período neonatal, infância e vida adulta. Ela começa a se formar ainda na vida uterina, mas é durante o parto normal que o bebê tem maior contato com os microorganismos. Ao excluir o contato vaginal/anal materno, o parto cesárea pode estar associado a maior risco de doenças crônicas como diabetes, obesidade e asma.

A partir do nascimento, a criança passa a receber influências externas para formação e desenvolvimento do seu microbioma. O aleitamento materno favorece a boa colonização da microbiota, com aumento de Bacterioidetes e Bifidobacterium. Durante a introdução alimentar, a oferta de alimentos fontes de fibras e nutricionalmente adequados garante a continuidade do desenvolvimento saudável do microbioma intestinal, o que influencia o metabolismo do hospedeiro, especialmente no início da vida, via degradação decomponentes alimentares não digeríveis, produção de ácidos graxos de cadeia curta, metabolismo de hormônios e formação do sistema imunológico.

O desequilíbrio da homeostase da microbiota – disbiose- pode comprometera saúde das crianças. O uso de antibióticos em recém-nascidos, por exemplo, reduz o número de Bifidobacterium e aumenta a colonização por Clostridium, provocando situações que anulam os efeitos protetores do aleitamento materno. A disbiose na fase pós-natal e primeira infância está também associada a maior risco de enterocolite necrosante e sepse tardia em recém-nascidos prematuros, assim como o desenvolvimento de sobrepeso, obesidade, asma, diabetes e condições atópicas, como eczema.

O microbioma de bebês e crianças pode ser facilmente modulado pelo uso de probióticos, prebióticos e simbióticos. Lactobacilos, Bifidobactérias e Estreptococos auxiliam a redução da colonização intestinal por microrganismos patógenos, enquanto prebióticos estimulam o crescimento de bactérias comensais. Nesse sentido, conhecer o microbioma intestinal infantil, por meio do seu sequenciamento genético, e os fatores associados a sua alteração é de suma importância para traçar estratégias de modulação adequadas e prevenir o surgimento de doenças durante o crescimento e a vida adulta.

Leia mais sobre o assunto na Série Microbioma:

Referências

A MEDINA, Daniel et al. Simulation and modeling of dietary changes in the infant gut microbiome. Fems Microbiology Ecology, [s.l.], 19 jul. 2018. Oxford University Press (OUP). http://dx.doi.org/10.1093/femsec/fiy140

KORPELA, Katri; VOS, Willem M. de. Early life colonization of the human gut: microbes matter everywhere. Current Opinion In Microbiology, [s.l.], v. 44, p.70-78, ago. 2018. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.mib.2018.06.003

MONICA, Ficara et al. Changes of intestinal microbiota in early life. The Journal Of Maternal-fetal & Neonatal Medicine, [s.l.], p.1-11, 29 jul. 2018. Informa UK Limited. http://dx.doi.org/10.1080/14767058.2018.1506760

SALAS€GARCIA, Mariana c. et al. Dysbiosis in Children Born by Caesarean Section. Annals Of Nutrition And Metabolism, [s.l.], v. 73, n. 3, p.24-32, 2018. S. Karger AG. http://dx.doi.org/10.1159/000492168

 

Leia também