fbpx


Ácidos graxos insaturados previnem câncer de pâncreas

Postado em 30 de agosto de 2021 | Autor: Marcella Gava | Tempo de leitura: 3 minutos

MUFA e ômega-3 tiveram destaque como fatores de proteção para câncer pancreático

Ácidos Graxos insaturados previnem câncer de pâncreas

O câncer de pâncreas é uma das neoplasias mais malignas, sendo que encontrar uma forma de diagnóstico precoce seria uma importante estratégia para seu controle.

Dessa maneira, Shishavan e colaboradores avaliaram a associação dos ácidos graxos plasmáticos circulantes com o risco de câncer pancreático (CP).

Foram recrutados participantes saudáveis entre 40 e 75 anos de idade. Ao início do estudo foram coletadas informações sobre alimentação, atividade física, aferidas medidas antropométricas e colhidas amostras de sangue para avaliação dos níveis de ácidos graxos. Estes foram seguidos anualmente por telefone para uma consulta sobre sua saúde e foram orientados a entrar em contato e informar no caso de doença, internação hospitalar, morte e causa. Para cada caso da doença foram pareados 3 controles sadios.

Fizeram parte do estudo 203 indivíduos, sendo 51 pacientes com CP diagnosticado e 152 controles saudáveis. Os dados dos casos e dos controles foram semelhantes ao inicio do estudo. Os ácidos graxos palmítico, oleico e linoleico representaram quase 98% de todos os ácidos graxos. Após o ajuste de variáveis, os níveis plasmáticos de ácidos graxos monoinsaturados (MUFA) se associou inversamente ao risco de CP. Níveis plasmáticos de ácido oleico, eicosenoico e ômega 3 também tiveram relação com a redução do risco de CP. Por outro lado, níveis de ômega 6 e ácidos graxos polinsaturados (PUFAs) apresentaram correlação positiva com CP. Participantes com altos níveis de ácido mirístico apresentaram risco 7 vezes maior de desenvolver CP.

Assim, os autores concluíram que os níveis de diferentes classes de gorduras podem alterar significativamente a suscetibilidade ao câncer de pâncreas. Ácidos graxos insaturados, incluindo ômega-3-PUFA e MUFA são considerados biomarcadores de proteção na prevenção de CP. Pelo contrário, ácidos graxo ômega-6 estão positivamente associados ao risco de CP.

Shishavan et al. Circulating plasma fatty acids and risk of pancreatic cancer: Results from the Golestan Cohort Study. Clin Nutrition, 2020.

Leia também



Cadastre-se e receba nossa newsletter