fbpx


Qual a diferença entre índice glicêmico e carga glicêmica?

Postado em 6 de setembro de 2006 | Autor: Camila Garcia Marques

O índice glicêmico indica o perfil de absorção dos carboidratos após as refeições em relação a um alimento controle, que pode ser o pão branco ou a glicose, contendo a quantidade fixa de 50 g de carboidrato. É uma medida da qualidade do carboidrato consumido na dieta. Não indica, portanto, a quantidade de carboidrato ingerido. O cálculo seria realizado a partir da seguinte fórmula: IG = área da curva glicêmica do alimento/área correspondente do alimento controle x 100.

 

Já a carga glicêmica (CG) é um indicador de qualidade e quantidade de carboidrato, a partir de uma determinada porção consumida desse nutriente pela dieta. A CG fornece o resultado do efeito glicêmico da dieta como um todo porque avalia a porção de carboidrato disponível dos alimentos e o IG. Dessa maneira, a fórmula utilizada seria a seguinte: CG = porção do carboidrato disponível x IG/100.

 

Por exemplo, o IG da banana (tendo como controle a glicose) é de em média 52. Porém, sua carga glicêmica é de 12, referente a uma porção de 120 g, contendo 24 g de carboidrato. Então, a banana possui valor médio de IG, mas baixo CG.

 

O consumo de alimentos contendo alta CG, ao longo do tempo, pode estar associado ao aumento do risco para o desenvolvimento de diabetes tipo 2, doença coronariana, dentre outros. Por isso, alguns órgãos internacionais, como a FAO (Food and Agriculture Organization) e a OMS (Organização Mundial da Saúde), se reuniram para elaborar um tabela com os valores de IG a partir de dois padrões (glicose e pão branco), CG, tamanho da porção e conteúdo de carboidrato, avaliando os alimentos mais consumidos em diferentes países.

 

Portanto, a CG fornece uma noção mais real do efeito glicêmico de diferentes porções alimentares, mas precisa ser avaliada com cuidado porque os valores referentes ao tamanho das porções podem variar para cada país e para cada pessoa, podendo haver, conseqüentemente, alteração na quantidade de carboidrato e nos valores da CG. Por isso, os profissionais da saúde devem calcular sua própria CG usando os dados do tamanho de suas porções consumidas e composição de carboidrato.

 

 

Bibliografia

Sartorelli DS, Cardoso MA. Associação entre carboidratos da dieta habitual e diabetes mellitus tipo 2: evidências epidemiológicas. Arq Bras Endocrinol Metab. 2006;50(3): 415-426. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302006000300003&lng=pt&nrm=. Acessado em 06/09/06.

Shikany JM, Thomas SE, Henson CS, Redden DT, Heimburger DC. Glycemic index and glycemic load of popular weight-loss diets. MedGenMed. 2006;8(1):22.

Foster-Powell K, Holt SHA, Brand-Miller JC. International table of glycemic index and glycemic load values: 2002. Am J Clin Nutr 2002;76:55-6.

Menezes EW. Carboidratos e Saúde. Aula do Departamento de Alimentos e Nutrição Experimental – Universidade de São Paulo – USP, Brasil. Disponível em: http://brasil.ilsi.org/NR/rdonlyres/72F87002-31A6-48FA-9091-175DEC037DF5/0/IGDoencaElizabeteWenzelILSI.pdf#search=%22%22carga%20glicemica%22%22. Acessado em 6/09/06.

Cadastre-se e receba nossa newsletter